Fale conosco

Nome *

Telefone

Empresa

E-mail *

Área *

Mensagem *

Repita o código de segurança ao lado *

captcha

Search
1
33.5
18.75
Atlanta, EUA

Sede (Corporativo):

GranAPI LLC
255 Lenox Rd, NE#750,
Atlanta, GA 30326, USA

 

Biorefinarias:

Unidade Thomaston
300 McIntosh Parkway
Thomaston, GA 30286, USA

Unidade Alpena
412 Ford Avenue
Alpena, MI 19707, USA

1
74.75
30.75
São Paulo, Brasil

Sede

GranBio Investimentos S.A.
Av. Brig. Faria Lima, 2277, 15º andar, Conjunto 1503, Jd. Paulistano,
São Paulo, SP, CEP 01452-000, São Paulo, SP
+55 11 2739-0500

1
65.75
32.375
Alagoas, Brasil

Planta Industrial

BioFlex Agroindustrial.
Faz. São João, s/n – Zona Rural
57.249-899 – São Miguel dos Campos – AL – Caixa postal 14

Estação Experimental

Biovertis Produção Agrícola Ltda.
Fazenda Andorinha, Rod. AL 220 s/n, KM 6,5,
São Miguel dos Campos, Zona Rural, AL, CEP 57180-000

Telefones

Sede

+55 11 2739.0500

 

7 de Maio de 2018

Cientistas estudam enzima capaz de “digerir” plástico de garrafa pet

Por GranBio

Enzima modificada é capaz de digerir plástico de garrafa pet

A bactéria chamada Ideonella sakaiensis foi aprimorada para reduzir plástico de garrafa pet em partes menores, melhorando métodos de reciclagem.

 

O tempo de decomposição do plástico tem sido uma das grandes questões ambientais ao longo dos anos. A situação é grave em relação ao material como um todo, mas especialmente quando falamos sobre a garrafa pet. Isso porque elas são um item comum ao nosso dia a dia, mas a população, de forma geral, ainda não tem o hábito enraizado de encaminhar garrafa pet para uma reciclagem correta, agravando a situação do plástico, e mais especificamente, de garrafa pet no meio ambiente como lixo reciclável.

Pensando nisso, autoridades envolvidas com questões ambientais, proteção do planeta e  ética ambiental buscam constantemente uma forma de reduzir o impacto da decomposição do plástico na saúde do planeta. E foi assim, entre diversos estudos científicos e análises, que se deu uma das mais recentes descobertas: a Ideonella sakaiensis, uma bactéria que tem a capacidade de digerir a garrafa de plástico tipo PET (polietileno tereftalato), mais conhecida por conta das garrafas de refrigerante, por exemplo.

A Ideonella foi descoberta, na verdade, em 2016 por cientistas japoneses e passou a ser estudada mais a fundo por uma equipe de estudiosos britânicos e norte-americanos. Eles descobriram que a degradação de partículas plásticas era efetuada por uma enzima específica, que ganhou o nome de PETasa.

Essa enzima foi modificada em sua estrutura para se tornar ainda mais poderosa para "digerir" o plástico. Como isso é feito? Reduzindo o material em partes menores para facilitar os processos de reciclagem do plástico.

A ideia agora é trabalhar para que a enzima possa ser produzida em grande escala para o setor industrial. No entanto, é importante ressaltar que mesmo com o sucesso dos estudos para ampliação dessa descoberta, é preciso que a população se conscientize na redução do consumo, levando em consideração o tempo de decomposição do lixo, principalmente entre resíduos sólidos urbanos, e amplie a prática de reciclagem de garrafa pet.

Fonte: Hypeness

 

→ Os temas publicados neste blog são de curadoria do presidente e CEO da GranBio, Bernardo Gradin.