Fale conosco

Nome *

Telefone

Empresa

E-mail *

Área *

Mensagem *

Repita o código de segurança ao lado *

captcha

Search
1
33.5
18.75
Atlanta, EUA

Sede (Corporativo):

GranAPI LLC
255 Lenox Rd, NE#750,
Atlanta, GA 30326, USA

 

Biorefinarias:

Unidade Thomaston
300 McIntosh Parkway
Thomaston, GA 30286, USA

Unidade Alpena
412 Ford Avenue
Alpena, MI 19707, USA

1
74.75
30.75
São Paulo, Brasil

Sede

GranBio Investimentos S.A.
Av. Brig. Faria Lima, 2277, 15º andar, Conjunto 1503, Jd. Paulistano,
São Paulo, SP, CEP 01452-000, São Paulo, SP
+55 11 2739-0500

1
65.75
32.375
Alagoas, Brasil

Planta Industrial

BioFlex Agroindustrial.
Faz. São João, s/n – Zona Rural
57.249-899 – São Miguel dos Campos – AL – Caixa postal 14

Estação Experimental

Biovertis Produção Agrícola Ltda.
Fazenda Andorinha, Rod. AL 220 s/n, KM 6,5,
São Miguel dos Campos, Zona Rural, AL, CEP 57180-000

Telefones

Sede

+55 11 2739.0500

 

28 de agosto de 2019

Fibra feita de resíduos de coco vira tecido para roupas

Por GranBio

A empresa Nanollose criou uma fibra para tecidos feita a partir de resíduos de coco, que pode substituir o rayon comumente usado na confecção de roupas e móveis. A fibra Nullarbor (do latim “nullus arbor”, que significa “sem árvores”), segundo a empresa, é a primeira de rayon que dispensa o uso de plantas e, portanto, é mais sustentável.
A nova tecnologia aparece em um momento em que a moda está sendo cada vez mais questionada pelo impacto no uso de recursos naturais.

                     Fibras feitas de celulose produzida com fermentação natural. Crédito: Divulgação/Nanollose

Normalmente, o rayon e seu similar, a viscose, são feitos a partir de algodão ou de celulose de árvores. Consequentemente, exigem que uma quantidade significativa de árvores seja cortada, triturada e tratada com produtos químicos agressivos.

Além disso, no processo de purificação, há um alto consumo de energia para obter a celulose necessária para produzir a fibra.

Já na nova tecnologia, micróbios convertem resíduos de biomassa do coco em celulose por meio de fermentação natural. Essa celulose microbiana, por sua vez, é processada e transformada em fibras.

     Tecido feito com a nova fibra produzida com resíduos de coco.Crédito: Divulgação/Nanollose

A produção do Nullarbor tem menos impacto na natureza, afirma a empresa, pois não demanda sol nem grande quantidade de água e solo.

Como resultado, não requer o corte de árvores ou produção agrícola. E pode ser produzida o ano todo.

Para comparar, a empresa toma como base a plantação de árvores em uma área equivalente a um campo de futebol (70 metros por 100 metros).

A normal leva de 12 a 18 anos para crescer e gera 3,5 toneladas de celulose por ano. A nova tecnologia, no mesmo espaço, leva de 10 a 15 dias e gera 115 toneladas de celulose por ano.

                Transformação da fibra em fios por meio da nova tecnologia. Crédito: Divulgação/Nanollose

A Nanollose se especializou em tecidos feitos sem o uso de plantas. Já produziu fibras a partir da cerveja, do vinho e de resíduos de alimentos, como uma alternativa ao algodão e ao linho.

Para a empresa, a nova tecnologia demonstra que é possível converter celulose microbiana em fibras de tecido comercializável e, portanto, em grande escala.

→ Os temas publicados neste blog são de curadoria do presidente e CEO da GranBio, Bernardo Gradin.