Fale conosco

Nome *

Telefone

Empresa

E-mail *

Área *

Mensagem *

Repita o código de segurança ao lado *

captcha

Search
1
33.5
18.75
Atlanta, EUA

Sede (Corporativo):

GranAPI LLC
255 Lenox Rd, NE#750,
Atlanta, GA 30326, USA

 

Biorefinarias:

Unidade Thomaston
300 McIntosh Parkway
Thomaston, GA 30286, USA

Unidade Alpena
412 Ford Avenue
Alpena, MI 19707, USA

1
74.75
30.75
São Paulo, Brasil

Sede

GranBio Investimentos S.A.
Av. Brig. Faria Lima, 2277, 15º andar, Conjunto 1503, Jd. Paulistano,
São Paulo, SP, CEP 01452-000, São Paulo, SP
+55 11 2739-0500

1
65.75
32.375
Alagoas, Brasil

Planta Industrial

BioFlex Agroindustrial.
Faz. São João, s/n – Zona Rural
57.249-899 – São Miguel dos Campos – AL – Caixa postal 14

Estação Experimental

Biovertis Produção Agrícola Ltda.
Fazenda Andorinha, Rod. AL 220 s/n, KM 6,5,
São Miguel dos Campos, Zona Rural, AL, CEP 57180-000

Telefones

Sede

+55 11 2739.0500

 

24 de junho de 2019

Talher de plástico de batata substitui os usados por fast-foods

Por GranBio

talher plástico feito de batata

“Ao vencedor as batatas”, escreveu Machado de Assis em seu Memórias Póstumas de Brás Cubas. Pois o designer sueco Pontus Törnqvist inverteu a ordem desse processo. Foi o tubérculo, na verdade, que o levou a ser premiado. E nada mais merecido. Afinal, ele criou um talher de plástico de batata, que se decompõe em menos de dois meses.

O mais inusitado dessa história é que esse ingrediente da receita surgiu meio que por acaso.

Törnqvist conta que seu objetivo inicial era justamente combater a poluição ambiental causada pelos talheres de plástico utilizados em fastfoods. Enquanto, em média, seu período de uso é de 20 minutos, o de sua duração na natureza chega a 450 anos.

Assim, em seu projeto de conclusão de curso, o designer passou a fazer experimentos com algas marinhas. Nos testes com elas, usava uma pasta feita de amido de batata e água.
“Certa vez derramei acidentalmente um pouco desse fluido e percebi que ele havia secado formando um filme plástico”, conta.

Foi a deixa para abandonar as algas e focar na fécula de batata. E havia uma razão para isso: concentrar-se na produção local.

O designer sueco criou o talher de plástico de batata para ser usado sobretudo em fast-foods. Crédito: Reprodução/Material Design Lab

Fazia todo o sentido: a produção de batata é abundante na Suécia. E ela pode ser substituída por outros tipos de amido, como o de milho, no processo, de acordo com as características do cultivo agrícola do país em que o talher for fabricado.

Para aprimorar ainda mais seu invento, Törnqvist passou um tempo nas dependências do Material Design Lab, em Copenhague, Dinamarca. Trata-se de um laboratório propício para o estudo de novos materiais.

“Lá, adicionei um ingrediente natural para tornar o plástico de batata ainda mais flexível”, afirma. “Assim, posso fazer com ele outros produtos, como bolsas e sacolas.”
Com esse desenvolvimento e o seu talher de plástico de batata, Törnqvist ganhou o James Dyson Award, prêmio voltado para inovações de design do mundo todo.

Crédito da imagem: Reprodução/James Dyson Award

→ Os temas publicados neste blog são de curadoria do presidente e CEO da GranBio, Bernardo Gradin.