Fale conosco

Nome *

Telefone

Empresa

E-mail *

Área *

Mensagem *

Repita o código de segurança ao lado *

captcha

Search
1
33.5
18.75
Atlanta, EUA

Sede (Corporativo):

GranAPI LLC
255 Lenox Rd, NE#750,
Atlanta, GA 30326, USA

 

Biorefinarias:

Unidade Thomaston
300 McIntosh Parkway
Thomaston, GA 30286, USA

Unidade Alpena
412 Ford Avenue
Alpena, MI 19707, USA

1
74.75
30.75
São Paulo, Brasil

Sede

GranBio Investimentos S.A.
Av. Brig. Faria Lima, 2277, 15º andar, Conjunto 1503, Jd. Paulistano,
São Paulo, SP, CEP 01452-000, São Paulo, SP
+55 11 2739-0500

1
65.75
32.375
Alagoas, Brasil

Planta Industrial

BioFlex Agroindustrial.
Faz. São João, s/n – Zona Rural
57.249-899 – São Miguel dos Campos – AL – Caixa postal 14

Estação Experimental

Biovertis Produção Agrícola Ltda.
Fazenda Andorinha, Rod. AL 220 s/n, KM 6,5,
São Miguel dos Campos, Zona Rural, AL, CEP 57180-000

Telefones

Sede

+55 11 2739.0500

 

8 de Março de 2019

Podemos estar vivendo a década mais quente da história

Por GranBio

temperaturas elevadas

Segundo previsões do Met Office, o serviço meteorológico do Reino Unido, é bem provável que estejamos vivendo a década mais quente da história. De acordo com os dados coletados, os anos entre 2014 e 2023 podem ser os mais quentes de que se tem registro. O patamar de confiança da estimativa é de 90% e as medições de temperatura começaram a ser registradas em 1850.

Acredita-se que as temperaturas dos próximos cinco anos serão até 1ºC mais quentes do que as observadas no período pré-revolução industrial. A primeira vez que isso ocorreu foi no ano de 2015, quando a temperatura média global da superfície da Terra atingiu 1°C acima – geralmente, este nível é calculado levando em conta as temperaturas entre os anos de 1850 e 1900.

A previsão do Met Office vai até 2023 e os cientistas acreditam que, pela primeira vez, possamos superar o limiar de 1,5ºC acima da temperatura pré-industrial, o que violaria o estabelecido no acordo de Paris. O aquecimento será sentido no mundo inteiro, mas principalmente no Ártico. Essa oscilação, no entanto, deverá ser temporária.

No acordo de Paris, ficou estabelecido que os países signatários se iriam se comprometer a reduzir emissões de carbono para impedir que o mundo passe desse limite até 2030. Agora, a análise do Met Office diz que há 10% de chance de isso acontecer nos próximos cinco anos.

Muitos dos eventos climáticos extremos são consistentes com o que esperamos de um clima em transformação. Essa é uma realidade que precisamos encarar. A redução de emissões de gases do efeito estufa e as medidas de adaptação ao clima devem ser uma prioridade global.

A previsão do Met Office vem ao mesmo tempo que várias agências publicam suas análises sobre as temperaturas observadas em 2018, mostrando que o ano foi o quarto mais quente desde que os registros começaram.

Fonte: Hypeness
→ Os temas publicados neste blog são de curadoria do presidente e CEO da GranBio, Bernardo Gradin.